Buscar no site
Histórico da BNL
Pagina inicial  >  Histórico da BNL >  Contexto Histórico
Contexto Histórico
2012
1920
  • 1919
    Visconde Philippe de Tarrazi (1865 - 1956), bibliófilo e historiador da imprensa árabe
    » mais
  • 1921
    Como sua casa ficou pequena para abrigar a coleção que crescia cada vez mais
    » mais
  • 1922
    Em 25 de julho de 1922, a inauguração oficial da "Grande Biblioteca de Beirute"
    » mais
  • 1924
    A lei sobre depósito legal Despacho nº 238, assinado pelo General Weygand
    » mais
  • 1935
    O estatuto administrativo da Biblioteca Nacional foi determinado
    » mais
  • 1937
    A BNL se mudou, com seus 32 mil documentos, para novas instalações, construídas pelo
    » mais
  • 1939
    Tarrazi renunciou ao cargo de Diretor da Biblioteca Nacional em 25 de novembro de 1939.
    » mais
  • 1940-1975
    O acervo da Biblioteca totalizou aproximadamente 200.000 documentos
    » mais
  • 1975
    Os combates da guerra de 1975 começaram no centro da cidade
    » mais
  • 1979
    O governo libanês decretou o congelamento das atividades da Biblioteca Nacional.
    » mais
  • 1983
    Com o intuito de resguardá-los, livros e periódicos foram colocados
    » mais
  • 1993
    O Ministério da Cultura e do Ensino Superior foi criado e passou
    » mais
  • 1994
    Uma missão especializada da Biblioteca Nacional francesa avaliou as condições
    » mais
  • 1995
    A emenda da lei sobre materiais impressos confiou o depósito
    » mais
  • 1999
    Em observação a um novo relatório de avaliação da
    » mais
  • 2000
    Em abril de 2000, os livros e periódicos foram transferidos para as instalações
    » mais
  • 2001
    Um esboço de projeto de lei do Ministério da Cultura, definindo a Biblioteca Nacional como instituição
    » mais
  • 2002
    Um local situado na Zona Franca do Porto de Beirute foi finalmente
    » mais
  • 2003
    O Projeto de Reabilitação da Biblioteca Nacional
    » mais
  • 2005
    Em outubro de 2005, o Emir do Catar, o Xeque Hamad bin Khalifa Al Thani
    » mais
  • 2006
    O Projeto de Reabilitação da Biblioteca Nacional do Líbano terminou
    » mais
  • 2007
    O governo libanês lançou o Projeto de Revitalização da Biblioteca Nacional
    » mais
  • 2008
    Em 16 outubro de 2008, a Lei nº 36 foi promulgada e publicada
    » mais
  • 2010
    No início de 2010, o Estado do Catar encomendou a construção
    » mais

1919

Visconde Philippe de Tarrazi
Visconde Philippe de Tarrazi (1865 - 1956), bibliófilo e historiador da imprensa árabe, construiu uma biblioteca em sua própria residência para abrigar sua coleção pessoal. A coleção incluía, na época, cerca de vinte mil documentos impressos e quase três mil manuscritos em várias idiomas.

1921

Parte interna da contracapa de uma obra da Grande Biblioteca de Beirute
Como sua casa ficou pequena para abrigar a coleção que crescia cada vez mais, Tarrazi a transferiu para a escola das "Diaconisas Prussianas", que mais tarde viria a constituir o núcleo central da futura Biblioteca Nacional. A instituição foi então chamada de " Grande Biblioteca de Beirute" (GBB) e oito intelectuais foram selecionados para ajudá-lo.

Tarrazi lutou para que esta nova instituição obtivesse o reconhecimento das autoridades libanesas. Finalmente, em 8 de dezembro de 1921, o estado libanês promoveu a biblioteca a condição de Biblioteca Nacional. Na condição de instituição estadual, a Biblioteca passou a estar vinculada a Direção-Geral de Educação

1922

Escola das Diaconisas Prussianas
Em 25 de julho de 1922, a inauguração oficial da "Grande Biblioteca de Beirute" ocorreu nas instalações da escola das "Diaconisas" no centro de Beirute, sob a presidência do Alto Comissário Francês General Gouraud, e na presença de personalidades libanesas e francesas, além de inúmeros intelectuais e notáveis do país. Tarrazi foi então nomeado Secretário Geral, e depois, curador desta nova instituição, posição que ocupou até 1939.

1922 - 1928: Tarrazi realizou várias viagens à Europa e depois ao Egito para adquirir novos livros e coletar doações. Estabeleceu, ainda, uma rede com intelectuais e bibliófilos da região.

Durante sua ausência, a negligência da equipe levou à desordem da biblioteca. Quando voltou de sua viagem, Tarrazi encontrou uma instituição mergulhada no caos e teve que recrutar uma nova equipe para reorganizar o trabalho.

1924

A lei sobre depósito legal (Despacho nº 238, assinado pelo General Weygand, em 17 de janeiro de 1924) entrou em vigor.

1935

O estatuto administrativo da Biblioteca Nacional foi determinado por força de um Decreto, tornando-se um serviço ligado ao Ministério da Educação Nacional.

1937

As novas instalações da Biblioteca no Parlamento
A BNL se mudou, com seus 32 mil documentos, para novas instalações, construídas pelo engenheiro Mardiros Altounian, no edifício do Parlamento na “Place de l'Etoile”, em Beirute. A inauguração oficial ocorreu em 7 de junho de 1937, na presença do Presidente Emile Eddé e uma série de personalidades. Uma equipe de oito pessoas, oriundas do Ministério da Educação Nacional, trabalhavam na biblioteca. A BNL permaneceu nesse local até o início da guerra em 1975.

1939

Na imprensa daquela época
Tarrazi renunciou ao cargo de Diretor da Biblioteca Nacional em 25 de novembro de 1939.

A partir daquela data, vários bibliotecários o sucederam, incluindo Youssef Assad Dagher, Abdel Latif Charara, Hector Khlat, Khalil Takeyeddine, Noureddine Beyhum e Ibrahim Mouawad. Ao longo desse período, uma equipe de trinta e cinco pessoas trabalhava na Biblioteca, assegurando seu bom funcionamento.

1940 - 1975

Sala de leitura com paredes decoradas com pinturas
O acervo da Biblioteca totalizou aproximadamente 200.000 documentos impressos e manuscritos, além de uma importante coleção de arquivos (documentos administrativos e históricos deixados pelos turcos em 1918, documentos e estudos da missão Huvelin, que constituem os arquivos dos primeiros anos do mandato francês). A Biblioteca era, na época, um referência para estudiosos, professores, funcionários e para todas as bibliotecas libanesas, principalmente as acadêmicas. Um salão foi inteiramente dedicado a coleções preciosas e manuscritos valiosos, incluindo o Shâh Nameh Al Ferdowsi. As paredes eram decoradas com pinturas a óleo, que representavam os pilares do Renascimento do séculos XVII ao XX.

O acervo foi enriquecido principalmente graças a vários doadores, incluindo o primeiro Presidente da República pós-independência, Sheikh Bechara el-Khoury, colecionadores como G. Yanni e G. Safa, além das famílias de alguns autores libaneses, como Habib Fares.

1975

As instalações abandonadas da Biblioteca
Os combates da guerra de 1975 começaram no centro da cidade, onde a Biblioteca Nacional estava localizada. Durante os anos de guerra a Biblioteca sofreu danos significativos. De acordo com algumas fontes, cerca de 1200 dos manuscritos mais preciosos desapareceram, e não resta nenhuma memória da organização da Biblioteca e dos procedimentos operacionais dessa época.

1979

Pilhas de livros nas salas abandonadas da BNL
O governo libanês decretou o congelamento das atividades da Biblioteca Nacional. A coleção histórica foi confiada ao Banco do Líbano e, posteriormente, ao Arquivo Nacional. O acervo incluía os manuscritos, as pinturas, assim como os primeiros exemplars de periódicos libaneses da coleção de Philippe de Tarrazi.

1983

Livros danificados por conta das péssimas condições de conservação
Com o intuito de resguardá-los, livros e periódicos foram colocados em caixas e transferidos para um depósito da UNESCO, que por sua vez também sofreu danos por conta da guerra. As condições de armazenamento se tornaram, então, prejudiciais à sua preservação (insetos e umidade).

1993

O Ministério da Cultura e do Ensino Superior foi criado e passou a ter autoridade para administrar a Biblioteca Nacional.

1994

Caixas de livros em Sin el Fil
Uma missão especializada da Biblioteca Nacional francesa avaliou as condições e elaborou um plano de ação preliminar. A BNL foi então, provisoriamente, instalada em Sin el Fil, na zona leste de Beirute, e as caixas foram armazenadas em um depósito mais seco.

1995

A emenda da lei sobre materiais impressos confiou o depósito legal aos Arquivos Nacionais.

1999

Em observação a um novo relatório de avaliação da Biblioteca Nacional Francesa e da União Europeia, o Ministro da Cultura do Líbano anunciou o Projeto de Reabilitação da Biblioteca Nacional do Líbano como sendo uma das prioridades do ano de 1999.

- O Decreto nº 29 do Conselho de Ministros colocou à disposição do Ministério da Cultura as instalações atuais da Faculdade de Direito da Universidade do Líbano em Sanayeh, com o propósito de instalação permanente da Biblioteca Nacional.

- No mesmo ano, o Ministério da Cultura assinou um acordo com a Agência Internacional de ISBN (do inglês “International Standard Book Number”) em Berlim, permitindo assim, que o Líbano aderisse ao sistema internacional de numeração de livros que concede a cada livro publicado no Líbano um número internacional e uma identidade global. O ISBN se tornou operacional em 2000.

2000

Descontaminação em massa de documentos infectados e danificados
  • Em abril de 2000, os livros e periódicos foram transferidos para as instalações da Universidade Libanesa em Hadath. Uma desinfecção geral de toda o acervo foi realizado, sob a supervisão do Centro Internacional de Conservação do Livro de Arles (França) no âmbito do projeto ManuMed (Manuscritos do Mediterrâneo).
  • Em 27 de março de 2000, a Fundação da Biblioteca Nacional do Líbano foi criada nos termos do Aviso 37 / AD.

2001

Um esboço de projeto de lei do Ministério da Cultura, definindo a Biblioteca Nacional como instituição pública e estabelecendo suas missões de forma clara, foi adotado pelo Conselho de Ministros e submetido ao Parlamento libanês para votação.

2002

As oficinas temporárias da BNL na Zona Franca do Porto de Beirute
Um local situado na Zona Franca do Porto de Beirute foi finalmente designado para abrigar as oficinas de preservação do acervo. As oficinas foram equipadas e uma equipe foi contratada para começar a limpar, ordenar e inventariar o acervo.

2003

O Projeto de Reabilitação da Biblioteca Nacional foi lançado por um período de três anos, tendo como objetivos: tratamento físico e intelectual das coleções, Treinamentos de recursos humanos, estabelecimento da Biblioteca como Instituição, preparação do concurso de arquitetura.

Este projeto foi financiado pela União Europeia com um orçamento de 1.375.000 euros, dos quais 80% foram pagos pela UE e o restante dos 20% pelo estado libanês.Gérard Khajerian foi nomeado gerente do projeto.

2005

O imóvel de Sanayeh
Em outubro de 2005, o Emir do Catar, o Xeque Hamad bin Khalifa Al Thani, anunciou uma doação de 25 milhões de dólares para a restauração das antigas instalações de Sanayeh e a construção de novos espaços necessários para abrigar a Biblioteca Nacional.

2006

O Projeto de Reabilitação da Biblioteca Nacional do Líbano terminou em virtude do acordo com a Delegação da Comissão Europeia no Líbano. O programa arquitetônico para a construção das futuras instalações da BNL em Sanayeh foi criado. As missões e Functions da BNL foram definidas, e um organigrama foi elaborado.

2007

O governo libanês lançou o Projeto de Revitalização da Biblioteca Nacional, em continuação ao Projeto de Reabilitação, e assumiu seu financiamento. As missões do Projeto são: catalogação e indexação do acervo da Biblioteca, restauração de obras antigas, realização de pesquisa bibliográfica para desenvolver o acervo existentes e construção do site do projeto.

2008

Em 16 outubro de 2008, a Lei nº 36 foi promulgada e publicada no Diário Oficial (JO43 / 20/10/2008). A lei estabelece as intituições públicas vinculadas ao Ministério da Cultura. (ver a versão original em árabe da lei sobre as instituições públicas).

Por força desta lei, a Biblioteca Nacional se tornou uma instituição pública sob a tutela do Ministro da Cultura.

2010

No início de 2010, o Estado do Catar encomendou a construção das futuras instalações da Biblioteca em Sanayeh à empresa de arquitetura Erga Group, em integral conformidade com o programa arquitetônico. O lançamento oficial dos trabalhos ocorreu em 28 de dezembro de 2010.
Fonte
فيليب دي طرًازي. خزائن الكتب العربية في الخافقين،– منشورات وزارة التربية الوطنية والفنون الجميلة (مطابع جوزف صيقلي)

- أحمد طالب: "المكتبة الوطنية : النشأة، الواقع والمرتجى" في نشرة جمعية المكتبات اللبنانية، مج 7، ع1 (خريف 1998)، ص ص 27-36.

- Architectural Program of the Lebanese National Library

- Stéphan-Hachem, Maud, « The Lebanese National Library», BBF, 2005, n° 1, p. 48-53
http://bbf.enssib.fr/consulter/bbf-2005-01-0048-012.

- Perrin, Georges, « Pour une renaissance de The Lebanese National Library», BBF, 1999, n° 6, p. 68-71
http://bbf.enssib.fr/consulter/bbf-1999-06-0068-009.

A Biblioteca Nacional do Líbano:nada foi mencionado de nomes associados à biblioteca nas antigas referências das instituições do Estado Libanês até 1959. Antes deste ano, muitos nomes foram usados, incluindo: A Biblioteca (Dar al-kotob), a Biblioteca Nacional (Dar al-kotob al-wataniyya), a Biblioteca Cívica (Al-maktaba al-ahliyya), a Grande Biblioteca (Dar al-kotob al-kubra) e a Biblioteca Libanesa (Dar al-kotob al-loubnaniyya) .

O Decreto nº 2869, de 16 de dezembro de 1959, estruturado pelo Ministério da Educação Nacional, menciona a Biblioteca Nacional sob o nome da divisão de Biblioteca. Quanto ao nome de "A Biblioteca Nacional", ele é oficialmente mencionado na lei nº 36 do ano de 2008, pertencente a instituições públicas adscritas ao Ministério da Cultura.